Luzes que brilham em ritmos natalinos

Apesar de ainda guardar as bonecas que foram presentes dos natais da infância, os sonhos e planos de Isadora Apollo mudaram. A menina que trocou as barbies pelo piano assumiu o microfone e hoje é referência como cantora lírica no estado. Solista de um dos maiores espetáculos natalinos, emociona mais de 300 mil pessoas por ano com seu talento.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


“Brilhar, quase sem querer e deixar ser o que se é”, diz a canção Estrela, de Vitor Ramil, interpretada por Isadora Apollo no espetáculo Natal Luz, em Gramado. A estrela taquarense converge os estudos do curso de direito na Faccat com as aulas de canto e ensaios. Entusiasmada, vai contando: “meu primeiro contato com a música foi aos seis anos, quando comecei a fazer piano. Há quatro anos comecei a cantar também. Já tocava músicas populares e senti que poderia dedicar minha voz ao lírico”, relembra.

 

Igual a tantos talentos taquarenses, foi aluna de Álvaro Vicente em técnica vocal. A partir daí conheceu o gênero lírico e passou a estudar focada no erudito. Devido à técnica ser diferente, a cantora faz aulas com o professor Carlos Rodriguez, (barítono), uma vez por semana em Porto Alegre. Atuando desde o ano passado em Gramado, a cantora conta que participou do processo seletivo através de audições. No teste cantou uma música do musical O Fantasma da Ópera (preferido dela), passou no teste, foi chamada e convidada novamente.

 

O show acontece ao ar livre, à beira do lago, chama-se “Eu sou Maria”, retrata desde o momento em que aceita a missão de conceber Jesus, e acaba quando Ele nasce. Conta com participação de atores, bailarinos, fogos de artifício, orquestra e solistas. Isadora é uma das quatro cantoras. Na direção artística do espetáculo está Edson Erdmann, mestre em comunicação, 25 anos na TV e prêmios nacionais e internacionais.

 

“Para mim, o contato direto com o Edson significa estar com gente grande do mundo artístico, impulsionar minha carreira e me amadurecer todo dia como artista”, confia. Ela define a experiência como “engrandecedora”, porque, além de cantar, deve interagir com o público, atuar, dançar e transmitir emoções. No setlist do show natalino estão as canções “Ave Maria”, “Estrela”, “Mary, did you know?”, “Então é Natal”, “Noite Feliz”, entre outras que fazem parte do musical natalino.

 

Para Isadora, “é fundamental reunir a família no Natal. Lá em casa vai ser diferente, vamos todos para Gramado, pois vou me apresentar na noite de Natal. Depois combinamos ir para a ceia, gosto muito do clima natalino, das cores, gosto do calor, do jazz, seguindo ou não religião, as pessoas vivem um momento singular. Nós brasileiros costumamos dar uma personificada no Natal, colocamos nosso sentimento de agregação na data.”

 

Carreira, repertório e planos para 2016

“Organizo meu repertório de uma forma personalizada, gosto de misturar para diversificar”, contou Isadora. No início de dezembro, em apresentação solo na Praça Central de Taquara, a cantora misturou a temática natalina, lírica, rock e jazz. “O lírico precisa de uma impostação diferente, existe técnica para que a voz saia, propague. No jazz os desenhos vocais são mais flexíveis”, explicou. Na agenda dela, os planos para 2017 estão listados. Almeja ser contratada para cantar em casamentos e eventos pontuais que possibilitem treinar mais o lírico. Projeta a formação de dupla com Adolfo Silva (tenor), com shows e apresentações pela região. Ainda no próximo ano, a moça pretende formar, junto com outros amigos taquarenses, uma banda de metal sinfônico, misturando vocal, ópera e metal, com possível apresentação de estreia no Festival da Diversidade, em maio.

 

Talento infantil conquistou, em um ano,mais de 40 premiações

Destaque na cultura gaúcha infantil, reconhecida pelo desempenho bem elaborado, Luiza Barbosa Dias é natural de Igrejinha e reside atualmente em Sapiranga. Luiza é cantora, intérprete, declamadora e dançarina, tudo isso aos dez anos. Filha de empresários, Geonei Dias e Ângela Barbosa, começou a cantar e declamar indo ao CTG com os pais.

 

No dia 16 de dezembro, Luiza apresentou-se na Praça Central de Taquara, colocando em evidência o talento musical e a interpretação. Cantou ao lado de João Soledad, músico, professor e compositor que a recebeu desde os sete anos para trabalhar a voz, na escola Recanto da Arte Gaúcha, de Igrejinha.

 

“Nossa rotina é puxada, não paramos a semana inteira, pois precisamos nos deslocar nas cidades para acompanhar a Luiza nas aulas de canto e declamação, ensaios de invernada, shows, entre outras atividades. Muitas vezes, por ela mesma, prefere ensaiar ao inves de ir a alguma festinha infantil ou familiar”, declarou Geonei. Ele explica que a filha tem muita dedicação, leva a sério e tem sonho de vida a ser alcançado.

 

A inspiração no palco tem muitas referências, mas o “empurrão inicial” foi dado por Letícia Roennau. “A Lea, mãe da Letícia, viu a Luiza declamando e a incentivou a cantar também, daí não paramos mais”, revelou o pai. Tamanha dedicação proporciona evolução em experiência de palco e desempenho. São mais de 40 premiações só no ano de 2016, todas vencidas durante a participação da cantora em festivais de música e de declamações de poesias gaúchas/nativistas. Como intérprete vocal, conquistou vários títulos de campeã, em eventos como o Rodeio Internacional de Canela, 31º Rodeio Internacional de Vacaria, Rodeio de Osório, o 1º Festival Nativista Gritinho do Quero-Quero, em Igrejinha, 13º Enartinho de Esteio, Rodeio Nacional, em Encantado, entre outros. Um dos momentos marcantes do ano, para ela, foi o show de abertura do Luiz Marenco no Mateart/2016, em Igrejinha.

Deixe uma resposta