Cartório Eleitoral de Igrejinha convoca eleitores para o cadastramento biométrico

Quem não comparecer dentro do prazo terá o título cancelado e poderá sofrer inúmeros prejuízos.
A presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RS), a desembargadora Marilene Bonzanini, esteve no Cartório de Igrejinha nesta terça-feira (06) e deu uma coletiva de imprensa. Jéssica Ramos/ Jornal Panorama.

O cancelamento do título de eleitor, o não recebimento de vencimentos (para servidores públicos) e algumas restrições, como não poder fazer o passaporte, ou prestar concurso público, por exemplo, são alguns dos prejuízos que os eleitores estarão expostos caso não realizem o cadastramento biométrico e tenham seus títulos cancelados. O alerta, na região do Vale do Paranhana, se concentra em Igrejinha, já que o prazo para o cadastramento encerra em menos de um mês, no dia quatro de setembro, e apenas 66% dos eleitores está em dia com a Justiça Eleitoral.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Nesta terça-feira (6) à tarde, a campanha recebeu o reforço da presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RS), a desembargadora Marilene Bonzanini, que destacou a importância da atualização das informações dentro do prazo. Além das penalidades para quem não estiver em dia com a Justiça, a desembargadora também falou sobre os benefícios que o processo biométrico pode representar. Explicou que a atualização vai instrumentalizar a confecção de documentos digitais, assim como já existe a CNH, por exemplo, disponível em aplicativos.

Sobre a visita ao Cartório de Igrejinha, Marilene disse que cumpre agenda do projeto “Eleições 2020 – A Justiça Eleitoral na Trilha da Cidadania”, que tem como objetivo percorrer todo o estado, “não só trabalhando com a campanha da biometria, mas também para a implantação do processo judicial eletrônico”, explicou. Disse que esta é uma novidade, e nas eleições do próximo ano todo o processo judicial eleitoral será informatizado. “Não teremos mais papel. Desde o registro de candidatura, até a prestação de contas, tudo se dará pelo meio digital. Então os candidatos, os advogados, os promotores, todos devem estar preparados e habilitados para trabalhar com esse novo sistema”, destacou. A presidente do Tribunal disse que a medida visa somar segurança, transparência e agilidade aos processos.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


A desembargadora também destacou que, mesmo os eleitores que conseguiram votar nas últimas eleições, mediante a importação dos dados do Instituto Geral de Perícias (IGP), devem comparecer ao Cartório e realizar o cadastramento biométrico. “É necessário atualizar informações, fotografias, endereço. A importação dos dados do IGP não anula o cadastramento. É importante salientar isso”, disse ela. Marilene disse que a urgência acontece em Igrejinha, mas que os eleitores de Parobé também já podem se organizar e evitar filas. O prazo em Parobé encerra no dia 11 de dezembro.

Para quem ainda não compareceu ao Cartório de Igrejinha, é possível acessar aos serviços de segunda a sexta-feira, das 11h às 18h, sem fechar ao meio-dia. O órgão fornece atestado de comparecimento, para quem cumprir horário de expediente igual ao do Cartório, cabendo à empresa empregadora liberar o funcionário para regularizar sua documentação. Dalvan de Almeida, eleitor local, fez o cadastramento nessa terça-feira (06). Disse que considera muito importante poder exercer a cidadania e não poderia perder o direito de escolher seus representantes. “Agora estou em dia, é muito importante”, disse.