A roupa de natal

Mesmo sem querer, se lembra da expressão “vermelho do inferno” cada vez que vê seu reflexo na vitrine da loja. A roupa grossa, as botinas e a barba artificial tornam o calor quase insuportável. Toca a sineta sempre que solta voz junto ao sorriso de disfarce, “ho ho ho”, tudo conforme o acordo com o […]

Leia mais...

A primeira morte

Aconteceu faz tempo. O sol, minguado, facilitava a correria do guri pela estrada, cheia de poças d’agua e rastros de carreta, cortando potreiros e banhados. Não se sabe quem viu primeiro. Só que a notícia chegou ao povoado e virou prosa junto com o chimarrão antes da lida. “Chico Preto se matou.” O guri, beirando […]

Leia mais...