Circo de horrores, por Roseli Santos

Leia a coluna da jornalista Roseli Santos.

Circo de horrores

Calem-se! Momentaneamente é preciso mais do que minuto de silêncio diante das atrocidades e tragédias. Quase uma mordaça, um castigo, uma punição, diante de tudo o que acontece neste país. Nunca se tornou tão necessário, urgente e imperativo para nós jornalistas, o “não noticiar”, como forma de evitar a propagação ainda maior de tanta coisa hedionda, de maus exemplos multiplicados a cada instante que o fato se repete na imprensa. Não se costuma divulgar qualquer ato suicida (com raras exceções) para inibir novas ocorrências, mas a humanidade aprimorou seus crimes contra vida e suas formas de dar cabo dela.

Inevitável é o choro diante da morte de crianças e adultos, de inocentes e culpados, de bandidos e mocinhos. Pouco importa quem são as vítimas empilhadas e acumuladas em estatísticas de homicídios, chacinas, feminicídios, tragédias anunciadas ou assassinatos premeditados. Rendem, certamente, pontos na audiência em noticiários e em fake news.

Assim se reproduz a miséria de um povo, de um país arrasado que posta suas mazelas nas redes sociais e incentiva o crime a cada notícia aterrorizante que replica a morte, o pavor e a impunidade.

Uma imprensa que sucumbe ao sensacionalismo morre junto com seus cadáveres. Logo, outros serão notícia e acabarão no esquecimento, em covas tão rasas quanto a informação veiculada. O papel impresso com a foto da carnificina ocorrida na esquina ou no país do outro lado do mundo desbota assim que chega à sua casa, enquanto que a “live” viraliza, ensanguentando a tela e a alma, até ser substituída por outro acontecimento mais impactante.

Atende-se as demandas dos seguidores que lotam a primeira fila do circo de horrores. Nada assusta a plateia que paga cada vez mais caro para ver o espetáculo. E ainda que se esgotem todos os ingressos para o show de hoje, é certo que amanhã haverá mais, muito mais, com qualquer cambista disposto a negociar a infinita miséria da condição humana.

Por Roseli Santos
Jornalista, de Taquara
[Leia todas as colunas]