Temperatura agora:   13.0 °C   [+]

Confira a posição dos prefeitos da região sobre a bandeira vermelha no distanciamento controlado

Cinco dos seis prefeitos do Vale do Paranhana consultados na noite desta sexta-feira (3) pela reportagem do Jornal Panorama e da Rádio Taquara confirmaram que ingressarão com recurso contra a reclassificação da região para a bandeira vermelha. O anúncio das bandeiras preliminares do sistema de distanciamento controlado pelo governo do Estado pegou a maioria dos prefeitos de surpresa, uma vez que, pelo baixo índice de hospitalizações da região, não se esperava a mudança direto de amarela para vermelha, sem passar pela laranja.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE





Parobé

O prefeito de Parobe, Diego Picucha (PDT), disse que não entendeu o “pulo” direto para vermelha, principalmente levando em conta que foram inaugurados, nesta quinta-feira (2), 10 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no Hospital São Francisco de Assis justamente dedicados ao atendimento de pacientes Covid-19. Picucha lembrou que Parobé ainda se socorre de leitos de UTI vagos no Hospital Bom Jesus, em Taquara.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Segundo Diego, foi marcada para este sábado (4) uma reunião dos prefeitos, em Parobé, abrangendo todos os municípios da região, em conjunto com os secretários de saúde e os assessores jurídicos, a fim de estudar o recurso a ser protocolado. “Na verdade, não tem motivo para ir direto para a vermelha. Ainda é tudo muito recente, mas estamos conversando entre os prefeitos, cada um levantando os seus dados, para apresentarmos o recurso”, assegurou Picucha.

Rolante

O prefeito de Rolante, Régis Zimmer, disse que verificará agora, dentro dos protocolos do Estado, o que motivou a mudança. Lembrou que Rolante ingressará com recurso, e disse que a reclassificação direta para bandeira vermelha surpreendeu, pois o município, na sua avaliação, está em condições de continuar na amarela. Segundo Régis, embora o aumento dos casos, Rolante não teve nenhuma internação. “Esperávamos alguma mudança, mas direto para vermelha não”, disse o prefeito.

Zimmer confirmou a reunião deste sábado com os demais municípios estudando o recurso que será apresentado. Mesmo assim, o prefeito disse que também estuda a possibilidade de Rolante regredir à bandeira laranja, intermediária entre amarela e vermelha, mas que permite o funcionamento de atividades econômicas. No caso de Rolante, o município está inserido em uma regra do distanciamento controlado que tem aval ao uso das regras de laranja, pois não teve hospitalizações registradas nos últimos dias.

Riozinho

Em Riozinho, a prefeitura divulgou nota informando que o município possui quatro pessoas infectadas pelo novo coronavírus. “Nossa preocupação é em relação ao número de leitos oferecidos para tratamento em UTI. Estamos muito próximos da capacidade total de atendimento. Por isso, é preciso que as pessoas se conscientizem da gravidade da situação, pois até mesmo nos grandes centros, como Canoas, por exemplo, já há falta de medicamento nas UTI´s para tratar esses casos. O uso da máscara, assim como sair de casa somente em caso de extrema necessidade, é fundamental para enfrentarmos a pandemia”, disse o prefeito Valério José Esquinatti.

Assim como Rolante, o município de Riozinho poderá utilizar os protocolos de bandeira laranja. Isso porque, o sistema de distanciamento controlado, permite que os municípios sem hospitalizações registradas nos 14 dias anteriores, e que estão em bandeira vermelha, utilizem da regra mais branda.

Igrejinha

Consultado por meio do WhatsApp, o prefeito de Igrejinha, Joel Wilhelm, informou à reportagem que não concorda com a mudança e está montando a defesa e conversando com seus colegas para fazer isso em conjunto. Acrescentou que, no caso de Igrejinha, também pode ser beneficiado pela regra que permite o uso da classificação laranja, uma vez que não possui hospitalizações.

Taquara

O prefeito de Taquara, Tito Lívio Jaeger Filho, disse que o município buscará a regressão para bandeira amarela. Isso porque, segundo Tito, o número de hospitalizações no município não justifica a mudança para a vermelha. O prefeito disse que está conversando com seus colegas para articular o recurso em toda a região.

Três Coroas

Por meio de sua assessoria, o prefeito de Três Coroas, Orlando Sobrinho, também se manifestou a respeito da reclassificação: “Nós não concordamos com a classificação de bandeira vermelha porque Três Coroas não tem ninguém hospitalizado pelo covid-19 e sete pessoas em quarentena. Amanhã de manhã [sábado] estarei em Parobé com os prefeitos da região para formularmos medidas que possam nos colocar novamente no zoneamento de bandeira amarela.