Da frustração à inspiração: taquarense, que encontrou nas artes sua realização pessoal, promove sua primeira mostra

Evento acontece no próximo sábado (30) e é aberto a toda a comunidade.
Elenita Fanton retocando uma de suas pinturas em tela. Foto: Jéssica Ramos/ Jornal Panorama.

Telas, garrafas e esculturas em gesso são, facilmente, observadas por todos os cômodos do apartamento de Elenita Fanton. A taquarense tem nas artes uma de suas maiores paixões – a outra, pelo que ela fala de si, é sua família. Elenita diz que, desde as primeiras lembranças da infância, ama desenhar e pintar. Mas, se render mesmo à veia artística dela, é algo que acontece a pouco menos de uns sete anos. Período em que ela já produziu mais de 600 obras. E, para marcar o início de uma nova fase de vida, e de projetos, Elenita promove no próximo sábado (30) sua primeira mostra de artes e pinturas. O evento acontece das 9h às 18h, no saguão do Edifício Dom Guilherme, rua Lothar de La Rue, nº 936, próximo à garagem da Citral, e é aberto a toda a comunidade.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Da frustração à inspiração

Cabeleireira, há sete anos, Elenita contou ao Jornal Panorama que ama desenhar e pintar, desde que tem lembranças da infância. Natural de Santa Catarina, ela veio para o Rio Grande do Sul quando era adolescente. Segundo ela, porque a família mudou em busca de oportunidades de emprego. Como o setor industrial era o mais promissor da época, na região, Elenita acabou se inserindo no ramo da produção de calçados, e chegou a empreender. No entanto, os negócios não prosperaram, e a taquarense reinventou sua carreira profissional, migrando para a área da beleza. Investiu em cursos de cabeleireira. “Sempre trabalhei muito, e quando me vi obrigada a me reinventar profissionalmente, escolhi algo em que eu pudesse expressar minha paixão pelas artes. Abri um salão”, relatou.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Nessa época, Elenita conta que também se rendeu às tintas e pincéis. Mas de forma amadora, apenas para satisfação própria, no contra turno do expediente. O trabalho no salão foi bom, mas também trouxe frustração. “Eu me dediquei para fazer o melhor. Me qualifiquei na área e busquei ser referência de qualidade. Mas, me frustrei bastante, porque recuperava os cabelos de muitas clientes que não valorizavam meu trabalho, e, além disso, divulgavam o trabalho de meus concorrentes”, explicou ela. E foi da frustração que a profissional decidiu mudar o rumo do trabalho novamente. Passou a atender suas clientes apenas a domicílio.

Atualmente, o tempo que poderia ser investido para o entretenimento televisivo, por exemplo, foi substituído pela arte de pintar e decorar. Tanto que ela doou a TV para os filhos. Tímida, ela disse que nunca fez um curso sequer, apenas contou com dicas e orientações de artistas que encontrou em grupos na internet. Desde que pintou a primeira tela, já se passaram uns cinco anos. E, neste último, ela contabilizou mais de 600 obras autorais.

Em meio às telas, garrafas pintadas e esculturas em gesso, Elenita afirma que hoje ela faz o que realmente ama. Que a vida se transformou e ela quer investir em cursos e formações, para, quem sabe, abrir uma loja e compartilhar o espaço com outros artistas também.

Confira algumas obras da taquarense: