Temperatura agora:   12.3 °C   [+]

Diretores do Hospital de Taquara alertam para necessidade de rediscutir financiamento da casa de saúde

Chaves e Izolan em entrevista à Rádio Taquara. Reprodução

Dois diretores do Hospital Bom Jesus, de Taquara, participaram, nesta segunda-feira (13), de entrevista ao programa Painel 1490, da Rádio Taquara. Os diretores rebateram declarações de funcionários da casa de saúde, prestadas na quinta-feira (9) passada. Na ocasião, os profissionais reclamaram de problemas salariais e outras situações que ocorreriam junto ao hospital. Durante a entrevista, os diretores administrativo Edson Izolan e técnico Cristian Chaves reforçaram a necessidade de se rediscutir o financiamento do Bom Jesus. Para Izolan, hoje, se for feito um levantamento completo das receitas e despesas, o hospital provavelmente está trabalhando “no vermelho”. Além disso, Chaves disse que existe um grupo de interesses em Taquara, ligado a um renomado cirurgião do município, a quem ele não quis dizer o nome, que atuaria em prejuízo à casa de saúde.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE




Primeiro, os dois diretores fizeram a contextualização em relação às receitas do Bom Jesus, acrescentando que o que vem atrapalhando a casa de saúde é o constante atraso de repasses do governo do Estado. Além disso, mencionaram que, nos últimos meses, a discussão com a prefeitura de Taquara no tocante à prestação de contas também gerou atrasos nos pagamentos, o que dificultou o funcionamento do hospital. Chaves e Izolan informaram que foi feito um ajuste com a prefeitura, mas mesmo assim questionaram o fato de que, nos últimos dois anos, a administração municipal não cobrava determinados documentos que passou a pedir repentinamente. Segundo eles, a situação foi contornada com o recente acordo fechado com o Executivo.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Com relação ao salário dos funcionários, afirmaram que foi pago integralmente na última sexta-feira (10), assim que houve o depósito de recursos do governo do Estado. Acrescentaram que o décimo terceiro salário de 2019 será pago em quatro parcelas, de janeiro até abril, como foi informado ainda no final do ano passado. Para quitar o compromisso, será tomado um empréstimo que a casa de saúde está buscando junto a uma instituição financeira. Os dois diretores reconheceram, no entanto, que há déficit nos recursos repassados ao hospital e defenderam uma renegociação de valores, tanto com o governo do Estado quanto com a prefeitura de Taquara para a manutenção do Bom Jesus.

Chaves mencionou, ainda, que o hospital de Taquara vive questões que ele, que é de fora de Taquara, enxerga como estranhas. Uma delas é um grupo que, segundo ele, é ligado a um cirurgião de Taquara que atuava na casa de saúde e foi afastado por causar problemas ao hospital. Segundo o diretor técnico, muitas das situações vivenciadas nos últimos tempos pelo hospital diz respeito a questões levantadas por este grupo liderado por este cirurgião, inclusive com denúncias junto ao Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (Cremers) e outros órgãos. O diretor chegou a falar que sabotagens teriam sido verificadas por funcionários que teriam ligação com este grupo. Chaves afirmou que a Silvio Scopel procedeu o encaminhamento das denúncias aos órgãos de investigação.

Sobre o funcionamento da UTI, que está interditada, e a obtenção do alvará do hospital, vencido, os diretores afirmaram que estão sendo regularizadas as pendências para se obter a renovação e a liberação de funcionamento. Com relação à falta de médicos, disseram que o hospital sofre com uma crise de credibilidade, e que a administração vem buscando contornar esse problema para garantir as escalas. Com relação ao grupo de funcionários que esteve em entrevista à Rádio Taquara, Chaves mencionou que não representariam o conjunto dos profissionais da casa de saúde.

Assista a íntegra da entrevista: