Editorial: restringir divulgação de informações da segurança é retrocesso

Brigada Militar atende a uma portaria do Estado e exclui informações divulgação de dados a jornalistas.

A divulgação de informações relativas a prisões por parte da Brigada Militar no Vale do Sinos está suspensa. A corporação excluiu, na tarde desta sexta-feira (6), um grupo no WhatsApp em que informava jornalistas a respeito de suas ações. A medida atende a uma ordem do governo do Estado, editada pela Secretaria de Comunicação. Pela regra, todos os órgãos estaduais devem suspender a publicação de notícias na internet, incluindo postagens em redes sociais.

Pela portaria, a regra é válida até o final das eleições. A divulgação das informações de interesse público e dos serviços de todos os órgãos caberá apenas ao portal do Governo do Estado, que receberá atualizações a cargo da Diretoria de Jornalismo da Secretaria de Comunicação.

Neste caso específico, no entanto, a decisão do governo abrange a segurança pública e o direito à informação do cidadão. A maior proximidade da Brigada Militar através das redes sociais vinha possibilitando informar com brevidade ao público sobre prisões e acontecimentos que são de interesse da sociedade relacionados às ações policiais. Não havia, até então, a divulgação de dados políticos que caracterizassem campanha eleitoral, e os veículos de comunicação também faziam o filtro necessário. Restringir a divulgação de informações de interesse público é um retrocesso que merece revisão pelo governo gaúcho.