Em apoio à greve dos professores, alunos da escola Olivia Lahm Hirt fazem manifestação em Igrejinha

Estudantes do ensino médio e do magistério estão mobilizados na Praça Dona Luisa.
Alunos e professores estão na Praça Dona Luisa, em Igrejinha. Fotos: Jéssica Ramos/ Jornal Panorama.

Munidos de cartazes e apitos, alunos de três turmas do ensino médio regular e também do curso de Magistério, da escola Olivia Lahm Hirt, de Igrejinha, realizam na tarde desta terça-feira (19) uma manifestação em apoio à greve dos professores do estado. O ato acontece na Praça Dona Luisa, ao lado da Rua Coberta, na área central da cidade.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE




Andriza, aluna de Magistério, disse que os professores não devem se sentir constrangidos por reivindicarem os próprios direitos.

Conforme Andriza Machado Haack, aluna do segundo ano do Magistério, o movimento visa demonstrar que os alunos não estão omissos à luta e às dificuldades que os professores estão enfrentando. “Nossos professores vivem uma situação muito triste, com o atraso e parcelamento de salários e a ameaça de perder benefícios, por exemplo. Mas muitos não querem aderir à greve para não comprometer o aprendizado dos alunos. Por isso, nós decidimos parar. Sem aluno, não há a necessidade do professor se sentir constrangido em reivindicar um direito dele. E nós, principalmente os que planejam seguir carreira no Magistério, não podemos nos calar e aceitar tudo o que está acontecendo”, disse a estudante.

Presente no manifesto, a professora da escola Olivia, Sandra Lopes, contou que ela e outras colegas decidiram acompanhar os alunos como forma de agradecimento. Disse que a atitude dos estudantes foi recebida como uma mensagem encorajadora. Destacou que, na maioria das vezes, as pessoas não compreendem as paralizações e julgam de forma equivocada, mas que tem sido insustentável a realidade dos professores no estado. Sandra afirmou que o apoio à classe é indispensável, uma vez que acaba atingindo a outras áreas profissionais, tais como o comércio, por exemplo – que acaba recebendo com atraso também, ou deixa de vender, já que os professores não têm acesso aos salários em dia – além de comprometer a qualidade do próprio ensino, já que os professores têm trabalhado totalmente desmotivados e expostos.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Sandra disse que, nesta quarta-feira (20), os professores de toda a região do Vale do Paranhana e arredores estão convidados a se mobilizarem em um novo ato que será realizado, a partir das 8h, também na Praça Dona Luisa (Igrejinha). Segundo ela, o principal motivo da paralisação – que não tem data prevista para encerrar – é o pacote de medidas, encaminhado pelo governador Eduardo Leite para discussão na Assembleia Legislativa. “Nossa situação já é de calamidade, com os atrasos e parcelamento de salários, e agora ainda estamos assistindo uma ação do governo que visa retirar de nós direitos já conquistados. Não podemos aceitar”, disse ela.