Empresa de Igrejinha é investigada em processo que afastou prefeito de Viamão

Geral

Mandado de busca e apreensão foi cumprido na companhia, que não teve nome revelado pelo Ministério Público.

Agentes do MP cumpriram mandados de busca e apreensão na prefeitura de Viamão.
Fotos: Divulgação / MP

O Ministério Público cumpriu, nesta quarta-feira (12), mandados de busca e apreensão em uma empresa de Igrejinha, que não teve seu nome divulgado. Segundo o órgão, a ação ocorreu dentro de operação que afastou o prefeito de Viamão, André Nunes Pacheco, por 180 dias do cargo. Também foram afastados cinco secretários municipais e um vereador. Eles estão proibidos de acessar qualquer prédio pertencente à Prefeitura de Viamão, bem como de contatar uns aos outros ou acessar testemunhas das investigações. Dois empresários, além do vereador investigado, tiveram suas atividades econômicas suspensas e estão proibidos de contratarem com o poder público de Viamão.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE




Conforme o Ministério Público, a operação Capital investiga a ocorrência de crimes de responsabilidade e fraudes licitatórias a partir de 2017. Os prejuízos aos cofres públicos de Viamão são estimados até o momento em R$ 10 milhões. As suspeitas são de que tenha ocorrido favorecimento nos contratos relativos a serviços de limpeza urbana e manutenção predial, além da implantação de sistema informatizado no SUS municipal e gerenciamento da Unidade de Pronto Atendimento (UPA).

Participam da Operação a procuradora de Prefeitos, Ana Rita Schinestsck, os promotores-assessores Heitor Stolf Júnior, Ederson Maia Vieira, Rodrigo López Zilio, Reginaldo Freitas da Silva e Antonio Képes, além do coordenador do Núcleo de Inteligência do MP, Marcelo Tubino. Os trabalhos contam com o apoio da Brigada Militar.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


DIRECIONAMENTO DE LICITAÇÕES

No caso dos serviços de limpeza urbana e manutenção predial, cujo proprietário de fato da empresa contratada seria o vereador investigado, além do direcionamento da licitação, o MP suspeita de que tenham ocorrido mais de trinta pagamentos ilícitos, com inversão da ordem de credores do Município. Também há indicativos de sobrepreço em favor da empresa.

Em relação ao contrato para a implantação de sistema de informática, a suspeita é de que tenham ocorrido manobras para restringir a competição – o que ensejou medida de suspensão do pregão eletrônico correspondente pela 21ª Câmara Cível do TJ ainda em 2019. Já as contratações de dois institutos para a gestão da UPA (ambos de forma emergencial) contém indícios de diversas irregularidades apontadas pelo TCE, entre eles a quarteirização de serviços, pagamentos em duplicidade e conhecimento prévio dos certames, por exemplo.