Fifi reclama de posturas da base do governo em Taquara

Rádio Taquara

Por Vinicius Linden
editoria@jornalpanorama.com.br

O vereador Luis Felipe Luz Lehnen (PSDB), o Fifi, de Taquara, adotará uma postura mais combativa neste ano. Foi o que anunciou, em entrevista ao programa Painel 1490, da Rádio Taquara, na segunda-feira. O parlamentar disse que está mais preparado para divulgar de forma mais firme o que acontece na Câmara de Vereadores e, para tanto, se utilizará dos espaços nos meios de comunicação e das redes sociais, em especial o Facebook. Lehnen começou o ano em meio a polêmica, uma vez que reclamou ter sido deixado de foras das comissões mais importantes do Legislativo.

Fifi diz que o regimento interno assegura aos partidos políticos a representação nas comissões. O tucano manifestou o interesse de participar das comissões de Orçamento e Finanças e de Constituição e Justiça, justamente aquelas que têm a responsabilidade de analisar todos os projetos em tramitação na Câmara. Contudo, o vereador diz que a base de apoio ao governo do prefeito Tito Lívio Jaeger Filho atuou para deixá-lo de fora das comissões, através da limitação do número de componentes destas comissões, que ficou em três. Na semana passada, o presidente da Câmara, Guido Mário Prass Filho (PP), alegou que esta limitação se deu para deixar funcionla o trabalho das comissões, uma vez que, desta forma, seria assegurado o quórum necessário para que as reuniões aconteçam. Embora Lehnen reclame da formação das comissões, disse à Rádio Taquara que, por enquanto, não buscará medidas judiciais para reparar a situação.

O vereador também falou sobre a situação financeira de Taquara, que considera muito perigosa. Acrescentou que estas condições não foram devidamente analisadas pela Câmara em 2017, uma vez que se votou apressadamente os projetos do Plano Plurinual, Lei de Diretrizes Orçamentárias e Lei Orçamentária Anual. Lehnen também comentou sobre um projeto em que a Prefeitura de Taquara pede autorização para contrair empréstimo, apresentado neste começo de ano. O vereador diz que, para análise da matéria, falta a administração municipal apresentar uma série de informações, em especial quais obras serão contempladas com o financiamento. Lehnen ainda cobrou a aprovação de uma emenda para que as contratações temporárias de profissionais, solicitadas todos os anos, sejam feitas por meio de processo seletivo simplificado, o que foi rejeitado pelos seus colegas em 2017. Segundo Fifi, essa medida evitaria o uso político dessas contratações. Lehnen disse que, na campanha eleitoral de 2016, pessoas contratadas pela administração municipal foram convidadas a participar de atos de campanha política.

Acompanhe a íntegra da entrevista à Rádio Taquara:

Compartilhe nas redes sociais: