Hackatons, Game Jams e os eventos de prototipagem rápida em tecnologia, por Guilherme Schirmer da Costa

Leia o artigo do Guilherme Schirmer da Costa, com novidades sobre tecnologia.

Hackatons, Game Jams e os eventos de prototipagem rápida em tecnologia

Em todas as áreas ligadas a criatividade, desafios envolvendo improvisação sempre existiram. Isso é pode ser notado desde o teatro, artes visuais e música. No Jazz, é uma jam session é tão comum que é praticamente impossível ver uma música criada no momento, a partir da criatividade de cada músico da banda.

Pode parecer estranho, mas esse momento de criatividade também existe em áreas ligadas a tecnologia da informação. Embora o termo Hackhaton tenha sido popularizado no final dos anos 1990 com eventos da comunidade da linguagem de programação Java, existem exemplos históricos de eventos independentes ocorrendo desde o final dos anos 1970 com a popularização do Apple II. Durante esse período, existiam poucas opções de software para computadores e a solução dos usuários foi criar por conta própria. Porém muito desses programas foram criados como um desafio, as vezes proposto entre alunos dentro de clubes de computação, em eventos de hobby ou em revistas sobre computação. Durante os anos 1980 com a primeira onda de popularização dos computadores pessoais, eventos desse tipo ajudaram a criar diversas subcenas ligadas a computação, como a demoscene europeia (animações digitais compostas de imagens e som gerados por computador e apresentados através de algoritmos diversos), dôjin (cena de produção multimídia independente que produz conteúdo baseado em animes e quadrinhos famosos) japonesa e a de desenvolvimento de jogos nos EUA e Reino Unido. Com o custo atual dos componentes eletrônicos e a ascensão da cultura Maker, Hackatons focadas na produção de hardware se tornaram populares, criando eventos gigantescos em algumas partes do mundo, programas de TV e fazendo parte da seleção de emprego no Vale do Silício. Hackatons focadas em desenvolvimento de jogos são conhecidos como Game Jams e começaram a ganhar popularidade na metade dos anos 2000. Diversos desenvolvedores famosos como John Carmack (DOOM) e Markus Persson (Minecraft) participam desses eventos e não é raro um jogo criado em uma Game Jam se tornar um jogo comercial com algum sucesso. Nos dias 25,26 e 27, a FACCAT foi uma das várias sedes da Global Game Jam, um evento de criação de jogos em 48 horas. Nesse período, os participantes planejaram e desenvolveram um jogo seguindo o tema do evento. O grupo, composto por alunos da instituição e convidados, desenvolveu um jogo com argumento e mecânicas reduzidas para o evento. O resultado pode ser visto aqui → https://globalgamejam.org/2019/games/bah-tch%C3%AA-na-porta

Guilherme Schirmer da Costa
[Leia todas as colunas clicando aqui]