Jair Bagestão rebate PT de Parobé e diz que não teme sanções da Comissão de Ética

Geral

Partido contesta indicação de vereador à chapa que venceu eleição na Câmara.

O vereador de Parobé Jair Bagestão (PT) se manifestou, nesta quinta-feira (27), sobre uma nota divulgada pelo Partido dos Trabalhadores em que a sigla afirma que enviará uma representação ao Conselho de Ética contra o parlamentar. A medida ocorre por conta da eleição à mesa diretora do Legislativo, em que Bagestão foi eleito segundo vice-presidente. Segundo o PT, a medida contrariou decisão interna do Diretório e da Executiva, que teria definido por não apoiar a chapa governista na disputa ao comando da Câmara.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE




Vereador petista foi eleito segundo vice-presidente da Câmara. Divulgação

Em contato com a reportagem do Panorama, Bagestão disse que a nota do PT possui 50% de inverdades, mencionando o fato de que, segundo ele, comunicou o partido previamente de sua adesão à chapa. Bagestão afirma que se baseou no regimento interno da Câmara, que prevê a proporcionalidade das siglas no comando do Legislativo. Como o PT possui dois vereadores, Bagestão entendeu que o partido deveria fazer parte da mesa diretora.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


“Estou pensando no bem como município, penso em um crescimento. Se o PT pensa no quanto pior melhor, eu penso no crescimento, na melhoria. E assim estou trabalhando há anos. Devo resposta à população que me elegeu”, comentou o vereador, dizendo que não teme sanções da Comissão de Ética do PT, uma vez que, segundo ele, o partido é amplo e possui mais de 600 filiados, que teriam clareza sobre o seu trabalho.

Bagestão ainda reclamou que, quando Moacir Jagucheski (PPS) foi eleito presidente da Câmara em 2017, com o apoio do PT, não conseguiu a adesão do seu partido para a chapa adversária, da qual foi integrante.

Leia mais: