Mostra de ações para ajudar o meio ambiente na Faccat

Escola Ambiente da instituição de ensino realizou ações de conscientização sobre a natureza.
Oficina da Escola Ambiente abordou plantas alimentícias não convencionais. Divulgação/Daniel Bitelo/Faccat

Junho, além das tradicionais festas juninas, também é um mês focado às questões ambientais. O Dia Mundial do Meio Ambiente é 5 de junho. Para lembrar a data, diversas cidades e entidades realizaram atividades de conscientização ambiental para reforçar a população a importância de se respeitar a natureza, o local onde se vive.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE




Nas Faculdades Integradas de Taquara (Faccat) não foi diferente. No decorrer das primeiras semanas de junho, ações foram feitas pela Escola Ambiente. “Neste ano, visando celebrar o dia Mundial do Meio Ambiente a Escola Ambiente focou suas atividades em três grandes pontos da questão ambiental. A reciclagem, o estudo das plantas alimentícias não convencionais e o contato saudável com a natureza com o conforto da tecnologia”, destaca o professor Liceo Piovesan, da Escola Ambiente da Faccat.

Escola Ambiente reúne iniciativas voltadas à natureza na Faccat. Divulgação/Daniel Bitelo/Faccat

Ação no Dia Mundial do Meio Ambiente
Na terça-feira, dia 5 de junho, o campus da Faccat se tornou palco de exemplos de como ajudar a manter o meio ambiente em ordem. No local, representantes da empresa 3R-Recicle puderam mostrar seus trabalhos aos acadêmicos, conscientizando-os com a reciclagem de óleo de cozinha usado. Além disso, um grupo de alunos do Cimol apresentou um projeto de pesquisa de transformação das cascas de pinhão em telhas ecológicas. “A 3R-Recicle, uma empresa voltada ao trabalho de reciclagem de óleo de cozinha usado, tem como principal destinação do óleo a fabricação de sabão e produtos derivados e atualmente está desenvolvendo estudos para a transformação deste óleo em biodiesel”, revela o professor Liceo.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Plantas alimentícias não convencionais
Os estudos das plantas alimentícias não convencionais foram apresentados pela Escola Ambiente e por um outro grupo do Cimol. “Nesta área já se desenvolvem há bastante tempo pesquisas sobre o valor nutricional, abundâncias destas plantas, variedade e classificação. Agora o que se busca é a identificação das espécies com maior potencial na região e a criação de receitas locais”, explica Liceo.

Energia fotovoltaica

Mostra compreendeu ação de conscientização sobre energia fotovoltaica. Divulgação/Daniel Bitelo/Faccat

No campus da Faccat, os acadêmicos também puderam conferir de perto um acampamento utilizando a energia fotovoltaica. “A ideia de trazer o acampamento para a Faccat teve duas finalidades. A primeira mostrar que é possível desfrutar do conforto da tecnologia também em locais afastados e de difícil acesso e a segunda é mostrar que isto é possível sem agressão ao meio ambiente”, ressalta Liceo.

No local, a jornalista Licéia Piovesan também interagiu com o público acadêmico. “A vantagem de se integrar à natureza de forma silenciosa é que não se espanta os animais que habitam a região”, diz a Licéia, que esteve na Faccat representando um grupo de pescadores que costuma realizar acampamentos em meio à natureza.

Ela ainda relatou a experiência que teve em um acampamento realizado na Estação Ecológica do Taim. “Em um acampamento ao sul da Reserva do Taim acordei à noite com barulho de pisada de animais. No princípio me assustei, mas resolvi dar uma espiada fora da barraca. Era um bando de capivaras que veio inspecionar o nosso acampamento. Se a gente tivesse um gerador barulhento certamente elas não viriam. ”, recorda Licéia.