OAB lança campanha defendendo Voto Consciente nas eleições de 2018

Debate na Câmara de Igrejinha abordou diversos aspectos em relação ao pleito.
Painelistas defenderam importância da informação correta para a votação no pleito de 2018. Divulgação/Eduardo Pereira

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Rio Grande do Sul lançou, nesta quarta-feira (8), a campanha intitulada Voto Consciente. Diversas seccionais da Ordem pelo estado promoveram eventos para divulgar a iniciativa, como ocorreu em Igrejinha, na sede da Câmara de Vereadores. Um debate promovido pela OAB abordou diversas questões relacionadas à conscientização para o pleito de outubro, alertando para a importância de um voto livre. Alunos do Instituto Olívia Lahm Hirt acompanharam as discussões.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE




A presidente da Subseção da OAB de Igrejinha, advogada Carine Martini, explicou a campanha realizada em prol de uma conscientização, bem como iniciativas da Ordem que serão lançadas nos próximos dias. Entre elas, dois aplicativos, um deles contendo dados dos candidatos, principalmente informações sobre suas vidas pregressas, e outro possibilitando que os cidadãos façam denúncias relacionadas a possíveis irregularidades no pleito.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



O debate foi aberto pelo defensor público Sérgio Nodari Monteiro, que falou sobre a “Subjetividade do voto”. A promotora de Justiça de Igrejinha Brenusa Corleta abordou o tema “A importância da informação”, ressaltando como essenciais conhecer os candidatos e, também, as funções para os quais os concorrentes estão pretendendo se eleger. Segundo ela, não adianta, por exemplo, um candidato prometer resolver algum problema que não é atribuição do seu cargo.

O terceiro painel foi conduzido pelo jornalista Vinicius Linden, da Rádio Taquara e Jornal Panorama, falando sobre “Tecnologia e velocidade das informações”. Esta parte do debate abordou as redes sociais e o fluxo de informações e, principalmente, o fenômeno das fake news (notícias falsas) e sua disseminação. Também foi falado sobre a importância de que as pessoas tenham consciência de não compartilhar notícias falsas e abordadas dicas de programas de checagem de fatos, como o projeto Comprova, desenvolvido por diversos veículos de comunicação do Brasil especificamente para as eleições deste ano. “O jornalismo profissional, que confere a veracidade dos fatos, é o melhor antídoto contra as notícias falsas”, defendeu Vinicius.

O último painel foi conduzido pela chefe do Cartório Eleitoral de Igrejinha, Kelly Stobe, a qual abordou como se dará a votação deste ano e o funcionamento da urna eletrônica. Ainda dentro do contexto das notícias falsas, Kelly buscou esclarecer um assunto recorrente nas redes sociais, de que as eleições poderiam ser anuladas caso mais de 50% dos votos fossem nulos, o que é falso. As eleições só são anuladas, nesta hipótese, se houver decisão judicial por suposta irregularidade cometida no pleito ou na campanha. Os votos nulos e brancos na urna eletrônica não são considerados válidos, ou seja, nem contam para a apuração oficial e não têm o poder de anular um pleito. Outro ponto defendido por Kelly e pela juíza Graziela Casaril foi a segurança da urna eletrônica, que possui diversos mecanismos contra fraudes.

Ainda participaram do debate, na sua condução, o presidente da Câmara de Vereadores de Igrejinha, Juliano Müller de Oliveira, e o representante da OAB no município, Wesley Lucas, da Comissão do Jovem Advogado. Ao final dos debates, os alunos do Instituto Olívia puderam simular votação na urna eletrônica a fim de aprender o sistema de votação neste ano.

Acompanhe a íntegra do debate:

Após os debates, alunos do Instituto Olívia puderam conhecer funcionamento da urna eletrônica. Divulgação/Eduardo Pereira