Os efeitos da rotina, por Cassi Gotlieb

Leia a coluna de Cassiano Gottlieb sobre a acessibilidade.

Os efeitos da rotina

Quem anda de cadeira de rodas convive com uma realidade que é absolutamente normal para o dia a dia em si. Normal no sentido em que como aquilo já faz parte da rotina, existe uma preparação prévia, um planejamento, uma adaptação para que a dificuldade de locomoção e acesso, não seja um obstáculo. Tudo ocorre mais ou menos dentro do planejado.

Isso pode fazer com que se pense que a vida de um cadeirante pode ser muito bem vivida e estruturada.

Evidente! E só tem coisas boas?

Claro que não. A sua vida é repleta de bons momentos? Nada fora da curva acontece?

Certo que não. Assim como de cada problema se extrai uma solução, o importante é sempre ter em mente que tudo se soluciona. Problema existe para ser resolvido.

Os problemas dos cadeirantes e aqui tenho a pretensão de falar por eles, é que talvez a rotina seja mais presente nessas pessoas. E por mais que alguns gostem, rotina cansa, pode até angustiar. A inquietude em viver coisas novas, acordar e decidir fazer uma atividade nunca feita, um passeio diferente, uma aventura que pessoas não cadeirantes acham que é complicado, romper barreiras e superar desafios. Tem forma melhor de vencer a rotina?

A sensação de rotina é igual a de algo que não se mexe, está parado. O mais cômodo é deixar daquela forma. Querer fazer diferente é trabalhoso, mas que graça tem não passar trabalho?

Se você passa dificuldade, você adquire duas coisas:

Capacidade de superar o que está incomodando. E o bônus de aproveitar o que foi conquistado.

Escrever é fácil, viver o que se escreve, muito mais difícil. Mas esse é o nosso desafio.

É difícil sair da rotina, fazer coisas diferentes, nosso cérebro tende a ir para o que conhecemos.

Isso muda quando nos damos conta que é melhor tentar, do que deixar da forma de sempre. Vale mais não sair da rotina e martelar na mente aquela vontade de ter saído?

Ou sair dela e ter a certeza se foi o melhor ou não? A vida é feita de experiências. Mas seja responsável sempre.

Mês que vem estarei de volta. Se cuidem e obrigado pela leitura!

Leia as demais colunas do Cassino Gottlieb