Paralisação de atividades da Câmara gera polêmica em Taquara

Geral

Vereadora Carmem divulgou repúdio à medida; presidente Guido afirma que não haverá prejuízo à comunidade.

A paralisação das atividades da Câmara de Vereadores de Taquara virou motivo de polêmica nesta quarta-feira (25). De um lado, a vereadora Carmem Kirsch (Republicanos) divulgou, nas redes sociais, o seu repúdio à medida, interpretando-a como uma tentativa de calar a oposição. Por sua vez, o presidente da Câmara, Guido Mário Prass Filho (PP), afirma que a medida se insere nas ações de combate ao coronavírus e que não haverá prejuízos para a comunidade.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE




No texto publicado na internet, Carmem relembra recente fala polêmica do vereador Guido em relação à comunidade e reclama que o presidente cancelou as sessões do Legislativo até o final de abril, o que classificou como “vergonhoso”, lembrando que as sessões acontecem uma vez por semana, às terças-feiras. “Será que não tem projetos bons para serem votados ou será que é para calar a oposição de cobrar do Executivo as prioridades?”, questionou Carmem, lembrando do hospital que está fechado.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Carmem criticou a Prefeitura que, na avaliação dela, teria ficado mais de meses se escondendo atrás do Judiciário na questão do hospital, mas quem tem a caneta na mão é o prefeito. “Eles não aguentam ouvir as cobranças das promessas eleitoreiras. Quem escuta e acompanha as sessões sabe bem o que estou dizendo aqui nesse meu desabafo. O povo escolheu vereadores pra defendê-los e cobrar as prioridades, afinal, um governo deve trabalhar para sua cidade ser atendida honestamente, com transparência, afinal são todos bem pagos para cumprir com seus deveres e, por isso, eu peço aqui e agora: as sessões têm que voltar imediatamente. Afinal, somos funcionários do povo, quem nos paga é eles. Então, vamos respeitá-los!”, disse a vereadora.

Resposta do presidente

Por meio de nota de esclarecimento, Guido Mário afirma que constatou alguns questionamentos em mídias sociais sobre a paralisação das atividades. O texto é assinado não apenas pelo presidente, mas pela mesa diretora da Câmara. Menciona que, considerando o decreto legislativo número seis de 20 de março de 2020, além das orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS), do Ministério da Saúde, da Secretaria Estadual da Saúde e da Prefeitura, todas no sentido de que se deve evitar ambientes com aglomeração de pessoas, foi publicada resolução suspendendo as atividades internas e externas da Câmara em razão da disseminação do novo coronavírus.

A nota afirma que os servidores exercerão os trabalhos habituais de forma remota, através do sistema de processo legislativo e demais ferramentas tecnológicas compatíveis, mantendo-se atentos a qualquer determinação da presidência via WhatsApp, e-mail e demais canais oficiais. Os vereadores, por sua vez, continuarão seus trabalhos de forma virtual, conforme estabelece uma resolução da Câmara, o que, segundo Guido, não prejudica o trabalho dos mesmos.

“As sessões ordinárias foram suspensas, porém os projetos de lei que porventura sejam necessários para a manutenção do Município de Taquara terão sua tramitação regular, convocando o Presidente do Legislativo sessões extraordinárias virtuais para discussão e votação. Imperioso destacar que essa medida, além de necessária segundo orientações de saúde pública e governamentais, não é exclusiva na cidade de Taquara, podendo citar como exemplo a suspensão das atividades junto à Assembleia Legislativa do Estado do RS. Estamos cientes da situação e atentos a tudo quanto à população taquarense necessitar, pois não mediremos esforços no intuito de minimizar os percalços pelos quais todos, sem exceção, estamos passando”, completa o texto.