Prefeitura de Três Coroas tenta aprovar de novo projeto de financiamento para obras

Mesmo após rejeição da Câmara em setembro, administração voltou a submeter projeto ao Legislativo.
Divulgação / Diego Land

Em audiência pública (foto acima) realizada na manhã desta quinta-feira (24), na Prefeitura de Três Coroas, a administração municipal reapresentou um projeto de financiamento para a pavimentação asfáltica das vias públicas da cidade. A reunião foi aberta e contou com a participação de lideranças, da comunidade, representantes de entidades e o Legislativo. Segundo a prefeitura, como muitas ruas de Três Coroas estão degradadas e a arrecadação do município não é suficiente para realizar as obras de melhorias, a única forma de resolver o problema é através da realização de um financiamento, que só pode ser firmado com a aprovação do projeto na Câmara.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


No mês passado, o executivo havia encaminhado o projeto para votação, mas ele foi rejeitado pelos vereadores Kiko da V8 – (PDT); Pedro Senir Farencena – Pedrinho (PT); Irineu Feier (MDB); Oneide Petry (MDB); João Kunz (PSDB) e Hilário Iluir Behling (PSB). Em nota divulgada à época, a prefeitura criticou o que classificou como intransigência dos vereadores. Já os parlamentares rebateram, também, em nota, apontando inconsistências na matéria e dizendo que o projeto seria eleitoreiro.

“Todo o país está sofrendo com a crise econômica e a maioria dos municípios está recorrendo a esse tipo de financiamento. Há poucos meses outras cidades da região apresentaram o mesmo projeto e aderiram ao financiamento com a aprovação de suas câmaras. Teve cidade em que todos os vereadores votaram a favor. Lá a oposição entendeu que as necessidades do povo são mais importantes que as diferenças políticas”, disse o prefeito Orlando Teixeira.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


A Prefeitura afirmou, em nova nota divulgada nesta quinta-feira, que decidiu submeter o projeto novamente, mas promoveu um debate mais amplo, com a participação de técnicos concursados e profissionais da Caixa Econômica Federal. Foi falado do valor a ser financiado, a taxa de juros, o prazo de pagamento e outras vantagens que o projeto oferece. Também foram esclarecidas algumas dúvidas e foi aberto espaço para preguntas.

O engenheiro da Secretaria de Planejamento, Douglas Franck, disse que a melhor maneira de executar projetos desse porte é através de financiamento. “A taxa de juros é menor que a inflação do material asfáltico. As obras se tornariam mais caras se as realizássemos em etapas, conforme fosse entrando dinheiro no caixa da prefeitura. É uma questão de economia”, falou. Segundo ele, boa parte da pavimentação asfáltica realizada em Três Coras é feita com mão de obra própria e asfalto produzido no município. Com o financiamento, e consequentemente a realização do processo licitatório, é possível contratar uma empresa que aplique um material de melhor qualidade e que pode durar mais de 15 anos. Além disso, não seria necessário utilizar os operários da Secretaria de Obras, Viação e Trânsito, liberando-os para executar outros trabalhos.

Segundo a prefeitura, diversas lideranças manifestaram apoio ao financiamento e defenderam o projeto. O representante da multinacional Endutex, que tem uma unidade em Três Coroas, disse que o financiamento para obras de infraestrutura é feita no mundo inteiro e que Portugal se tornou um grande atrativo por causa deste tipo de investimento. Na mesma linha de pensamento, o presidente do Sindicato das Indústrias de Calçados e Componentes para Calçados de Três Coroas, Joel Klippel, falou que a aprovação do projeto também é fundamental para o desenvolvimento econômico. “Estamos tentando atrair empresas para o município e a infraestrutura conta muito para isso. Sou sempre favorável a investimentos em infraestrutura”, destacou.

O projeto de financiamento está sendo encaminhado à câmara e deverá entrar em votação nos próximos 45 dias. A data que vai para a votação será definida pela presidência da Câmara. Na nota divulgada, a prefeitura diz ser importante a população participar das sessões do Legislativo para acompanhar o processo.

Leia mais: