EDUCAÇÃO

Projeto “O cavalo dorme em pé ou deitado” é promovido por alunos do Colégio Theóphilo Sauer

Projeto é desenvolvido por 15 alunos do primeiro ano em Taquara.
Marco Aurélio ensinou sobre tropeirismo. Divulgação/Magda Rabie

“O cavalo dorme em pé ou deitado?” Este é título de projeto desenvolvido por 15 alunos do primeiro ano do Colégio Municipal Theóphilo Sauer, localizado no bairro Petrópolis, em Taquara. Para as crianças, de apenas sete anos, este assunto, bem peculiar, causou muitas dúvidas durante uma brincadeira no intervalo, segundo conta a coordenadora do projeto, professora Jaqueline Almeida.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE




“Tudo surgiu de maneira bem espontânea, numa brincadeira na hora do recreio. As crianças estavam brincando de cavalgar, imitando os cavalos, as prendas e os gaúchos, contando o que sabiam a respeito dos animais. Foi assim que surgiu a indagação se o cavalo dormia em pé ou deitado? Então, percebemos que era um momento bem propício para ensiná-los a respeito, pois estamos no mês em que comemoramos a Revolução Farroupilha, e, como o cavalo está muito relacionado ao tema, começamos o projeto”, menciona Jaqueline.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Integrando os estudos, recentemente, os estudantes visitaram a residência do tradicionalista, Marco Aurélio Angeli, na localidade de Açoita Cavalo, no interior taquarense. Na “fazenda do tio Marco”, como mencionaram os pequenos, conheceram mais sobre a vida do cavalo e sobre o tropeirismo. Também tiveram uma roda de música gauchesca e de dança com o vereador Daniel Laerte Lahm, o Preto, e uma exposição sobre o folclore e utensílios utilizados pelos gaúchos, ministrada pelo diretor de Cultura, Paulo Antônio Wagner de Oliveira.

O projeto que teve início ainda em agosto, segue até outubro, objetivando, conforme a coordenadora Jaqueline, favorecer o conhecimento acerca da vida do cavalo, por meio da participação dos alunos em atividades vivenciais lúdicas, significativas e contextualizadas, capaz de prepará-los para a crescente autonomia, criticidade, responsabilidade, comprometimento pessoal e social. Concomitante a isso, pelo mês em que se homenageia a figura do gaúcho e a necessidade do resgate da cultura gaúcha junto a comunidade escolar também é relevante à iniciativa a fim de valorizar as raízes e a cultura do Estado.

Música e dança com o vereador Preto. Divulgação/Magda Rabie
Paulo Wagner apresentou alguns utensílios gauchescos. Divulgação/Magda Rabie
Alunos aprendem os costumes dos gaúchos. Divulgação/Magda Rabie