Reality show, por Plínio Dias Zíngano

Penso, logo insisto

Leia a coluna “Penso, Logo Insisto”, assinada pelo professor Plínio Dias Zíngano.

Do “Meu cinicário” – Revolucionários fazem passeatas “pacíficas” contra mudanças decididas nos parlamentos, mas pegam em armas para impor suas próprias mudanças.

REALITY SHOW

O título do comentário, hoje, está escrito em inglês. Gosto muito desse idioma, principalmente, na poesia. Parece-me uma língua rascante, que torna mais incisiva cada palavra pronunciada. É preferência muito pessoal, eu sei. Por outro lado, nos meus textos, evito usar termos em declarada grafia estrangeira, mesmo tendo ciência da inútil luta contra as intromissões idiomáticas. É como água: quando ela decide infiltrar-se, cedo ou tarde consegue. Com o estado atual das comunicações, a permeabilidade ficou muito mais rápida, a ponto dos falantes de uma língua nem se darem conta que estão usando expressões ainda em estado bruto (por não terem sido adaptadas à forma e som de sua língua matriz). Ou seja, a gente usa e se comunica, deixando para quem trabalha com a escrita as decisões de como apresentar as palavras em nova forma. É o caso do título deste texto. Basta falar ou escrever, todos reconhecem seu significado. Teoricamente, é um xou (olhem só: adaptei ao português!) no qual as cenas mostram os acontecimentos verdadeiros em sua sequência natural. Teoricamente!

Dando a impressão de um espetáculo retratando, cruamente, a vida real (reality show, no inglês, fora outros significados, significa isto), essa apresentação televisiva não reproduz a verdade. Analisem, antes de acreditar nas cenas mostradas. Os acontecimentos são, sempre, iguais. Exemplificando: arquiteta (a protagonista) sugere reforma em residência, disputando com corretor imobiliário (o antagonista) a preferência do casal proprietário. Marido ou esposa quer morar em outro lugar (o problema). A heroína (arquiteta) propõe a reforma da atual moradia, dando a entender que continuar ali é o melhor a fazer. Ao mesmo tempo, o corretor cria tensão, sugerindo nova propriedade. No final, o casal opta entre ficar na casa original, reformada pela arquiteta, ou comprar o novo imóvel, indicado pelo corretor. Veja se os episódios não seguem exatamente a mesma sequência de acontecimentos, inclusive com os percalços durante o vídeo.

 Note que todos – insisto: todos – esses programas de “realidade”, têm um roteiro, com mudanças fotográficas e declarações dos participantes. São atores, interpretando textos escritos por roteiristas, esses, sim, os grandes artistas de cada episódio. Seja comprando vestidos de noiva; seja escolhendo cônjuge com prazo de 90 dias; seja educando quantos gêmeos você queira; sejam os percalços em fazendas e seus proprietários; sejam dissabores e alegrias de grupos confinados, disputando  sabe-se lá quantos milhares de reais, tudo passa por roteiro e edição final.

 Na verdade, o reality show é cada vez mais xou do que realidade!

Por Plínio Dias Zíngano
[Leia todas as colunas]