Seminários na Faccat buscam evidenciar os rumos da História

Atividades ocorreram de 9 a 11 de maio na instituição de ensino.
Mesa coordenadora dos trabalhos durante seminário na instituição de ensino em Taquara. Divulgação/Claucia Ferreira/Faccat

O Seminário Internacional Migrações, Espaços Educativos e Desenvolvimento Regional e o XIV Seminário Nacional de Pesquisadores da História das Comunidades Teuto-brasileiras, que ocorreram de 9 a 11 de maio, nas Faculdades Integradas de Taquara (Faccat), oportunizaram aos participantes momentos de aprendizado, de interação e de descobertas. Com o intuito de ampliar a bagagem do conhecimento, historiadores, acadêmicos de História e egressos da Faccat puderam debater e apresentar trabalhos em desenvolvimento na área.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Além das conferências e mesa redonda de discussões, ocorreram ainda um passeio com Roteiro Histórico do Vale do Paranhana e a exposição fotográfica Migrações: reflexões e impactos. Durante o evento, mais de 120 trabalhos de pesquisas científicas foram apresentados. Os seminários foram promovidos pelo curso de História, Mestrado de Desenvolvimento Regional da Faccat e pela Associação Nacional dos Pesquisadores da História das Comunidades Teuto-Brasileiras (ANPHCTB).

Valorização do passado

Na opinião da coordenadora do curso de História da Faccat, Andrea Helena Petry Rahmeier, a principal finalidade dos seminários foram promover a reflexão e o debate sobre os diferentes processos de migrações ocorridos nos últimos três séculos (XIX, XX e XXI). “Possibilitamos uma análise crítica tanto do contexto histórico como dos outros campos das humanidades, como do campo da geografia, da antropologia, entre outros. Além disso, estabelecemos as análises das contribuições genéricas dos campos da educação e do desenvolvimento regional”, sintetiza.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Já o diretor-geral da Faccat, Delmar Backes, destacou a importância do passado para a construção do presente e do futuro. “ É preciso que debatam e troquem ideias, que criem e redescubram o valor do passado. É fundamental novos pensamentos, novas ações com as novas tecnologias. O ontem fica esquecido, mas é preciso que ele seja recuperado. O redescobrir é fundamental porque o futuro e o presente dependem das lições do passado. A educação não é um negócio”, salienta Backes.

Debates e diálogos

No decorrer das ações, os participantes puderam acompanhar de perto debates como da Territorialidades na perspectiva das migrações, com o professor Helion Póvoa Neto, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que aconteceu na abertura oficial do evento, ocorrido na noite de 9 de maio.

Já os professores doutores Marcos Antônio Witt, da Unisinos; Marcelo Vianna, IFRS- Osório, debateram a temática Prosopografia e Pesquisas Genealógicas: relações possíveis, na noite de sexta-feira, 10 de maio.

A mesa redonda de encerramento, que ocorreu na manhã do dia 11 de maio, contou com a temática Migrações: diálogos em espaços educativos, com a professora doutora Zeila Demartini, da Universidade Metodistas, de São Paulo, e com o professor doutor Alberto Barausse, da Universitá degli Studi del Molise (Itália) e PUC/RS.

Acadêmicos e professores participaram das atividades no Centro de Eventos. Divulgação/Claucia Ferreira/Faccat