Simers cobra melhores condições de segurança no Posto 24 Horas de Taquara


Sindicato constatou falhas na principal unidade de saúde de Taquara.


Diretora do SIMERS, Gisele Lobato apresentou as reivindicações ao secretário da Saúde de Taquara, Vanderlei Petry. Divulgação/Simers

O Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers) informou que, no final de outubro, visitou o Posto 24 Horas de Taquara e constatou problemas relacionados à falta de segurança. Por conta disso, na semana passada, representantes da entidade se reuniram com o secretário de Saúde, Vanderlei Petry.

Um dos problemas apresentados no posto, segundo o Simers, é a falta de um vigia, pois, atualmente, existe apenas um guarda de patrimônio. O secretário informou ao Sindicato que a Prefeitura contrará, em breve, uma empresa terceirizada de segurança para fornecer um vigilante ao posto.

Outra preocupação do Simers é com a localização dos sanitários: para acessá-los, os pacientes precisam passar pela parte interna do posto. Conforme o Sindicato, alguns aproveitam para pressionar os médicos por atendimento mais rápido. O Simers propôs que a chave dos banheiros fique sob responsabilidade dos atendentes do posto, e a ideia, segundo a entidade, foi aceita por Petry.

De acordo com o Sindicato, Petry ainda prometeu buscar uma solução para outro problema recorrente: a baixa qualidade do material de sutura, especialmente dos fios cirúrgicos.

Atendimento às operações dos órgãos de segurança
Um dos pontos críticos para a segurança do posto, segundo o Simers, tem a ver com o atendimento a apenados, conduzidos por integrantes da SUSEPE e da Brigada Militar para realização de exame de corpo de delito. Ao Simers, Petry forneceu a cópia de um documento que a Secretaria enviou à Brigada Militar, pedindo mais segurança ao posto e demonstrando preocupação com os presidiários que demandam atendimento.

Conforme o secretário, no final de outubro foi agendada uma reunião com a BM, logo após a visita do SIMERS. Entretanto, a BM não pode comparecer por conta de outras operações urgentes que surgiram no mesmo dia.

Segundo a diretora do SIMERS Gisele Lobato, o SIMERS irá agir junto com a Secretaria para buscar alternativas de solução. “O secretário Petry reconheceu os problemas e afirmou que algumas coisas já podem ser melhoradas em breve. Além disso, colocamos algumas sugestões de aperfeiçoamento e ele acatou todas. Mas o mais importante é que o SIMERS e a Secretaria de Taquara estão juntos na busca para sanar a questão de violência que está amedrontando médicos, pacientes e outros profissionais da saúde”, salienta Gisele.

O SIMERS informou que segue atento à situação do Posto 24 Horas de Taquara e irá agendar reunião com o comandante da BM da região para debater o assunto.

Compartilhar nas redes sociais: