Stephanie Braz da Silva

Rainha da 30ª Oktoberfest de Igrejinha, 20 anos, secretária administrativa e estudante de educação física na Universidade Feevale

 


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE




Como é difícil falar de nós mesmos, né?! Mas, a Stephanie é uma menina mulher, moleca, humilde, nunca teve nenhum luxo na vida e sempre batalhou muito por tudo que tem hoje. Tive que amadurecer cedo na separação dos meus pais, comecei a trabalhar com quatorze anos para ajudar minha mãe em casa, nunca reclamei disso, adorava me sentir útil. Na verdade, tudo isso foi muito bom pra me tornar a pessoa de hoje, com uma personalidade um pouco – bastante – forte. Poucas vezes alguém verá eu me queixando de algo. Tenho uma amizade muito forte com Deus.
Tenho várias paixões, uma delas é minha viralatinha Julie, que está conosco há dez anos! A segunda é meu Gol 1999, que tem uma história linda. Meses antes dos tão esperados 18 anos, minha mãe e eu compramos o carro “a meia”. Eu nem tinha carteira ainda! Acabei com a minha poupança e, na hora de fazer a CNH, tive que pedir um bom dinheiro emprestado. O Gol ficou mais de um ano parado na garagem, mas estava ali me esperando! Prometi pra mim mesma que minha mãe nunca mais iria andar na chuva e até hoje cumpro a promessa.
Sou uma pessoa família. Por muitos anos fomos só eu e minha mãe uma era a família da outra. Hoje temos dois anjos que entraram nas nossas vidas, que por sinal não vou mais deixar sair.

CONTE-NOS UM POUCO SOBRE SUA RELAÇÃO COM A OKTOBERFEST DE IGREJINHA? Como falei em meu discurso ainda como candidata, vejo a Oktoberfest como uma amiga, que crescemos lado a lado nas diferentes etapas da vida. Primeiro no parque, depois os shows com amigos, almoços com a família e, na maioridade, poder trabalhar ao lado dela em prol da comunidade. Hoje acredito que estamos na nossa mais linda fase, tendo a chance de estar à frente de suas divulgações!


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


QUAL A SUA AVALIAÇÃO DO SIGNIFICADO DA FESTA PARA IGREJINHA? Se Igrejinha pudesse falar, acredito que faltariam palavras! Assim como às vezes faltam pra nós, mas conseguimos ver e sentir uma cidade linda, com segurança, um dos melhores hospitais da região, escolas excelentes, muitas vezes fruto do repasse da nossa festa. A Oktoberfest projeta nossa cidade, para o Brasil e para o mundo e nós não seríamos a mesma Oktoberfest se não pertencêssemos a Igrejinha.

ATÉ AQUI, COMO TEM SIDO SER RAINHA DA OKTOBER E A EXPECTATIVA PARA A FESTA? O sentimento é inexplicável! Nunca na minha vida imaginei estar dando uma entrevista a um jornal, por exemplo. Cada mensagem de carinho, cada abraço, cada foto tirada vou levar pra sempre em meu coração. Estou realmente vivendo cada segundo desse sonho, qualquer coisa que me questionam eu respondo: vamos ver pra ano que vem! Hehe, porque quero e vou me dedicar exclusivamente e incansavelmente a essa festa. A nossa expectativa é sempre a melhor, não pensamos nenhum momento em “crise”, sabemos o potencial que a Oktoberfest tem, tanto que está em sua 30ª edição, vamos ter consciência de que demos o nosso melhor nas divulgações e entregar o resto a Deus que sempre reserva o seu melhor pra nós.

CONTE-NOS UM POUCO SOBRE O QUE MOTIVOU A ESCOLHA PELA SUA ATIVIDADE PROFISSIONAL? Foi algo que aconteceu, lido muito bem com pessoas e ser secretária para mim é maravilhoso.

E A ESCOLHA PELA ÁREA DE ESTUDOS? Sou completamente apaixonada por crianças e muita extrovertida, poder ver aquele brilho no olhar, aquela sinceridade, foi por isso que decidi ser professora. Acredito ser uma área ampla, onde posso crescer e continuar me relacionando com pessoas e crianças especialmente.

ALÉM DA OKTOBERFEST, O QUE VOCÊ MAIS APRECIA EM IGREJINHA? Amo essa cidade num geral, muitos amigos meus já pensam em sair e ir pra Capital, mas eu não tenho esse desejo, não pretendo sair daqui e não me imagino em outro lugar. Amo o fato de sair de casa e cumprimentar umas dez pessoas até chegar no trabalho, amo o fato de todo mundo se conhecer, de poder ficar sentada na área tomando chimarrão até tarde da noite, amo tudo aqui.

NA SUA OPINIÃO, COMO A CULTURA GERMÂNICA PODE SER ATRATIVA ÀS NOVAS GERAÇÕES? Acredito que ela já é, pelo fato de, desde 1988 até os dias de hoje, a Oktoberfest ser uma atração para qualquer idade. A cultura germânica é muito rica e com certeza muito forte no nosso município.

O QUE VOCÊ MAIS APRECIA NA CULTURA ALEMÃ? É difícil escolher apenas uma, mas acredito que sejam as bandinhas, é impossível não abrir um sorriso e começar a dançar assim que entramos no parque, quando eles nos esperam ao lado do portão. Nas divulgações em que os levamos junto, posso ver o mesmo sentimento nas pessoas quando passamos por elas, é contagiante.

QUAIS OS SEUS PLANOS FUTUROS? Ser uma pessoa que ama tudo que faz, então me vejo fazendo muito de muitas coisas. Ano que vem, após passar a faixa, vou procurar uma agência e iniciar alguns trabalhos como modelo fotográfica, que era uma coisa que eu tinha desistido, e a Oktober acendeu isso em mim. Não tenho medo de desafios, então o resto vou levando com calma e esperando as portas se abrirem.