Temperatura agora:   14.0 °C   [+]

Tempo de crise, de ação e de oportunidade, por Dalciso Oliveira

Nesta quadra um tanto taciturna da existência, de gente mascarada, distante e isolada (ao menos é como deveríamos estar) há que se pesquisar no fundo da alma energias para podermos seguir adiante.  A pandemia do coronavírus impingiu transformações, parece-me até que definitivas, na sociedade global.  Já se fala, inclusive, de tal “normal”, completamente diferente do que antes vivíamos.Em verdade, para os empreendedores e trabalhadores brasileiros, aqueles que vivem do fruto do seu trabalho, a vida já não estava fácil. O desemprego, o custo Brasil, a carga tributária mal posta, o recurso público mal gerido, a burocracia ineficiente e os juros altos já pesavam e a tudo isso já sobrevivia o “herói brasileiro”.  A pandemia vem e acelera este processo de degradação do emprego e das indústrias que, na prática, já assistíamos em câmera mais lenta aqui no país.O fato de eu resolver abordar os aspectos econômicos da pandemia não devem ofuscar a visão. Sou absolutamente atrelado à ciência no que tange ao combate e às ações que se devem tomar para a preservação de vidas.  Mas, voltando a falar de economia, os balanços recentes produzidos pela Secretaria Estadual da Fazenda demonstram recuos significativos da economia gaúcha. São tempos de anormalidade, e será necessário ação firme e rápida para atenuar a crise que se avizinha.Nas cadeias produtivas que mais tenho intimidade – setor coureiro calçadista, e indústria do turismo, tenho estimulado e participado de diversos diálogos com os mais variados atores destes setores.  Existem, é fato, mesmo na mais aguda crise, oportunidades a serem exploradas e potencializadas. Entretanto, o poder público precisa apontar de forma mais firme quais ações pretende fazer, mirando a porta de saída da crise.São tempos de exceção e as medidas precisam ser igualmente heterodoxas.  A preservação dos empregos, do parque industrial gaúcho e do número de empresas em atuação no Estado, em especial as pequenas e médias, dependerão muito de medidas de crédito (de verdade e não de faz de conta) e de garantias de renda mínima, como incentivo ao consumo.   Serão tempos difíceis, mas também de oportunidade. Mais uma vez, tempo de corrigirmos o rumo do desenvolvimento do Estado.

Dalciso Oliveira
Deputado Estadual PSB