Uma volta pela grande Índia, por Luiz Haiml

Leia o artigo mensal do professor Luiz Francisco Haiml.

Uma volta pela grande Índia

Acabei de terminaras 500 páginas narrativas do tomo 1 de “O Mahabharata”. Sua forma original, porém, é em verso.  

 O leio numa tradução para o espanhol do texto em sânscrito do Vyasa; segundo os especialistas, a melhor adaptação. Escassas são as versões do poema fora do sânscrito, e as poucas que existem, na forma versificada,não abarcam sua grandiosa totalidade, sendo feitas com extratos da obra.

O poeta Friedrich Schlegel deixou uma tradução completa em alemão, morreu antes de conseguir revisa-la, passá-la alimpo.  A melhor versão consta ser a de língua inglesa, feita em Calcutá (entre 1834/39), é a que serve de base para a que tenho. 

Mal terminada a leitura do primeiro tomo, que se encerra com o pessoal em pé de guerra para a terrível batalha que se apresentará no próximo volume, descubro que: https://revistamonet.globo. 

O Mahabharata é o mais antigo e longo poema já escrito.  Seu conteúdo traz a origem e o destino de uma dinastia que se dividirá em Pandavas e Kurus. Temos o nascimento dos protagonistas,suas formações, as intrigas que os separarão, as aventuras e desventuras dos Pandavas- afastados do reino por uma traição e uma promessa – a devastadora luta que,mesmo sendo irmãos, oriundos de uma mesma linhagem, travarão entre si, e o destino final dos que sobreviverão.  

A palavra Mahabharata significa “A GrandeÍndia”, e o que sucederá entre Pandavas e Kurus modificara a divisão dos reinos e suas lideranças no antiguíssimo território hindu, época em que a Índia teve sua Era de Ouro.

Os versos do Mahabharata se enraízam na história da Índia, sendo ainda lidos e recitados no cotidiano dos hindus. Além disso, são de altíssimo valor dentro de várias correntes espirituais originárias de tal país, e que  hoje se espalham pelo mundo, como os vaisnavas, por exemplo.


Porque isso? É o Mahabharata muito mais que uma história de desavenças, traições, lutas,guerra, através das palavras e atitudes de seus protagonistas visualiza-se um amplo painel de profundos preceitos religiosos e filosóficos que abarcam com deve sera postura correta do homem em relação aos outros e a Deus. Aliás, a divindade,no poema, tem forte presença.  Em materialização humana, Krishna, o Senhor Supremo caminha entre os humanos, e, em outra manifestação, como o sábio Vyasa, é creditado a  Ele  a essência dos  versos de tal épico. Na imagem, Krishnaaparece conduzindo o carro de Arjuna na batalha de Kuruksetra.

Fascinante esta sendo a minha jornada pelo Mahabharata,inebriado pela beleza de sua descrições, desperto pelas reflexões que suas palavras proporcionam, mesmo em forma narrativa, aficionado a seus personagens,principalmente aos cinco irmãos sob o qual a história se centrará a partir decerto ponto, não conseguindo deixar de seguí-los em sua compelida trajetória por lugares, que, quem sabe, ainda, um dia,  conhecerei ao vivo.

 Os irmãos desterrados são acima de tudo, modelos de perseverança e fé, pois, apesar de todas as aflições que sofrem, não deixam de amar a  Krishna.

Temos Yudhisthira, o político virtuoso, o homem que ama a paz, o mais sábio, e paciente dos Pandavas, mas que, manipulado por seu orgulho em nunca perder nosdados, torna-se peça fundamental na queda dos mesmos. Arjuna, o mais habilidoso dos arqueiros, abençoado depois com o conhecimento dos golpes astrais. Bhisma, o maior e mais forte deles, sua fúria reduz sem dó o inimigo a pó, mas seu coração o leva a enfrentar os maiores percalços para colher a flor preferida que trará a alegria de volta para a esposa entristecida.   

Nakula e Sakudeva, filhos de outra mãe, são a juventude, a destreza, e não havia ninguém mais hábil em lidar com rebanhos de todas as espécies. Falar mais especificamente sobre cada um daria texto para outra hora.

Enfim,meu sonho, para uma filmagem disso tudo, era unir  Zack Snyder  (300), Peter Jackson (Senhor dos Anéis) e FrankMiller (300)  ou Grant Morrison – que fez um visual massa numa versão  pop/pessoal da luta em Kuruksetra para desenho animado e história em quadrinhos (18 Dias). https://www.youtube.com/watch?v=zU_5WFb2oUk&list=PLVQ- 5tGttzR9txcAtYJG2_XEieXE2yVnz.

Mas quem melhor que a Disney para botar recursos numa superprodução, afinal, ela comprou a Marvel. Além do mais, a empresa confiou o trabalho a um diretor hindu, que, por suas palavras, parece conhecer o valor do material que vai adaptar. Espera-se.

Por Luiz Haiml
Professor, de Taquara
[Leia todas as colunas]