Temperatura agora:   9.8 °C   [+]

Vida de soberana da Oktoberfest exige dedicação: os bastidores do reinado de Stephanie, Dominique e Vanessa

Um ano inteiro de atividades! Assim é a rotina desde que, em maio, são escolhidas as soberanas da Oktoberfest de Igrejinha. Neste ano, a tarefa está com a rainha Stephanie Braz da Silva, 20 anos, e as princesas Dominique Franciele Santos da Silva, 21, e Vanessa Cardozo de Lima, 21. No último dia 19, em cima de um trio elétrico, elas enfrentaram o momento que deu início à trajetória da festa, com a carreata do chope. Das 13 horas até as 21 horas, passaram por municípios dos vales do Sinos e Paranhana, convidando a comunidade a visitar a Oktober. Na chegada em Igrejinha, não foi possível segurar as lágrimas, com a multidão na Rua Coberta da Praça Dona Luísa. Mas a Oktober não parou por aí!


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Dia seguinte, sexta-feira, 20 de outubro, data em que a Oktoberfest iniciou. Às 6 horas da manhã, as soberanas estavam a postos para o primeiro compromisso oficial, a alvorada festiva, que anuncia o começo da festa de outubro. Só três horas depois, davam sequência à maratona de divulgação da festa, com uma entrevista no programa Painel 1490, da Rádio Taquara. Na ocasião, contaram o quanto é exigente a tarefa de ser soberana da Oktoberfest. Desde que foram eleitas, tiveram poucos finais de semana livres. Percorreram o Rio Grande do Sul para divulgar o evento, conheceram dezenas de festas. Em todas, o desafio de convidar as pessoas e divulgar as atrações e diferenciais da Oktoberfest. Perguntadas sobre as melhores festas que visitaram, não titubearam: “as que tinham as melhores comidas”, revelaram, de forma unânime, as três soberanas.

A sexta-feira, porém, ainda reservava outros momentos. Emocionadas, elas fizeram um discurso com trechos em alemão na solenidade de abertura oficial, resultado de uma preparação com professora. Enalteceram o Jubileu de Pérola da Oktoberfest, marcando os 30 anos de festa, com a lembrança sobre a importância do voluntariado e da história da Oktober, que começou pequena em 1988. “Desejamos que sejamos todas as mais lindas pérolas dessa festa”, disse Stephanie. Ainda na entrevista à Rádio Taquara, as soberanas tinham contado que a paixão pela Oktoberfest é o grande diferencial que motiva a comunidade de Igrejinha a se mobilizar de forma voluntária. As três, aliás, são voluntárias da Oktober há vários anos.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Também no primeiro dia, assistiram ao começo do show em cima do palco. “Ver o parque cheio nos emocionou inúmeras vezes. A emoção foi tanta lá de cima, que nos abraçamos e algumas lágrimas rolaram. De lá podí- amos ver que todo o esforço e dedicação de todos os meses de divulgações valeram a pena. O mesmo se estendeu pelo sábado e domingo, onde tentamos ficar o máximo de tempo acolhendo os visitantes e tirando fotos”, contaram ao Panorama as soberanas. Segundo elas, acompanharam toda a programação do evento e estiveram presentes em todos os momentos oficiais.

Mas, pra quem pensa que vida de soberana é só glamour, as três contam que é diferente. “Ficar o dia todo trajadas é um pouco desconfortável, pelo peso dos vestidos e da coroa, que não temos como tirar, porque é costurada. O cansaço vamos levando. Sentimos dor nos pés e, para dar uma aliviada, sentamos e passamos spray e pomadas. Isso já nos renova para continuar a diversão junto com os visitantes”, contam as soberanas. “O mais recompensador é a troca de carinhos com o público. Ouvir deles que estão gostando muito da festa ou que o sonho deles era tirar uma foto com as soberanas, pra nós, não tem preço. Então, vamos, sim, estar lá embaixo fazendo o que mais gostamos: muita festa!”, anunciaram, com a disposição para receber os visitantes nos últimos dias do evento.

Um dos momentos de descanso do trio. Divulgação