Baixe o aplicativo do Jornal Panorama para seu smartphone

ou tablet:

Ouça AO VIVO as rádios do grupo pela web:



Coluna



Vídeo

Roseli Santos

Publicado em 10/03/2017 às 09:03
Silenciosamente

A cidade dormitório, como é chamada já há algum tempo, anda dormindo pouco. O movimento e o barulho, resultantes não só do aumento populacional, mas do número de carros, motos, vans e micro-ônibus circulando e concentrados quase que exclusivamente na rua principal e quadras próximas do centro, revelam a disputa de um espaço que não existe. Aliás, continua o mesmo dos tempos da colônia, quando o principal meio de transporte eram cavalos e carroças, pelas mesmas ruas de hoje, só que sem asfalto (o que, diga-se de passagem, em termos de pavimentação, não mudou muito).


Entre centenas de prédios comerciais, edifícios e os casarões históricos que ainda não “tombaram”, a cidade subsiste, alardeando prosperidade, embora poluição sonora não signifique desenvolvimento, carros nas ruas não espelhem riqueza e placas de aluga-se não atraiam ou mantenham inquilinos.


Muito barulho por nada, até de madrugada. E haja farmácia para apaziguar toda a ansiedade acumulada, cada doença somatizada. E haja restaurante e supermercado para saciar tanta fome. Haja paciência para esperar o silêncio da noite encurtada pelo caminhão que recolhe e tritura o lixo às cinco da manhã.


Talvez a cidade dormitório, por isso mesmo, esteja perdendo o brilho, a leveza, o rumo a identidade, como tudo neste país. Reflexo opaco do que já foi “Um lugar para ficar” e que acabou sendo apenas um lugar para dormir, pousar, repousar (se o vizinho do andar de cima permitir) e ir embora pela manhã, caminhando por calçadas esburacadas em direção a outro lugar.


Talvez sejamos todos culpados, alguns condenados, quem sabe até pouco cobrados por mudanças, renovação, atitudes, revolução. Constatações, divagações e reflexões que brotam da insônia, enquanto o sol já desponta na janela, alguém bate à porta e berra, um táxi estaciona buzinando e a cidade acorda do sono que nem dormiu.

Leia também

Publicado em 10/03/2017 às 09:03
Silenciosamente
Silenciosamente


Redes Sociais

Copyright 2013